Plantão 24 horas: (77) 9193-4066

Av. Aurora, 78 – Paulo VI Ver Localização

12 Fev 2013

Pílula do dia seguinte pode causar sangramento?

Pílula do dia seguinte pode causar sangramento?


Que uma relação sexual segura deve ser acompanhada de preservativo, todo mundo sabe. Mas, em alguns casos, incidentes acontecem e a camisinha pode estourar. Para isso, existe outro método contraceptivo de emergência, também conhecido como pílula do dia seguinte. Com a ajuda de Jennider Wider, especialista em saúde feminina da Cosmo Radio, a Cosmopolitan tirou as principais dúvidas sobre o medicamento. Confira a seguir: 

Quando tomar? Há algumas situações em que você pode recorrer à pílula do dia seguinte, como rompimento do preservativo ou cálculo errado do período fértil. Independentemente do caso, o medicamento é eficaz até cinco dias após a relação sexual desprotegida para evitar a gravidez indesejada.

Como funciona? A pílula contém altas doses de hormônios (progesterona, na maioria das vezes) que param a ovulação. Ela dificulta o encontro do espermatozoide com o óvulo e, assim, previne a gravidez.

Qual a sensação de tomar o medicamento? Os efeitos da pílula variam de uma mulher para outra. Há quem apresente fortes efeitos colaterais e há que não sinta nada. Por isso, o ideal é esperar para fazer planos e marcar compromissos dias após tomar o medicamento.

Há efeitos colaterais? Sim. Depois de tomar a pílula, você pode apresentar alguns sintomas desagradáveis em 24 horas, como náuseas, vômitos, dor de cabeça, cansaço e sensibilidade mamária.

Ter sangramento é normal? Sim. É comum que algumas mulheres apresentem sangramento após tomar a pílula do dia seguinte. Se o sintoma durar por alguns dias ou o fluxo for muito intenso, o indicado é consultar um médico.

Sempre pode ser tomada após a relação? Não. A pílula do dia seguinte é um método contraceptivo de emergência e não deve ser usada como controle de natalidade. Praticar sexo com preservativo é sempre a melhor opção já que, além de evitar a gravidez, também previne contra doenças sexualmente transmissíveis.

Desenvolvido por:M. Aires